HEMOCROMATOSE HEREDITÁRIA

Click here to edit subtitle

Tratamento

Tratamento

O tratamento de Hemocromatose Hereditária consiste, basicamente em realizar sangrias terapêuticas (flebotomias), que nada mais são que retiradas periódicas de sangue, tal como uma doação, a serem realizadas em periodicidade a ser estipulada pelo especialista que está cuidando do caso.
Normalmente são realizadas semanalmente, podendo ser quinzenais ou até mesmo bi-semanais. A quantidade de sangue a ser retirada (400/500 ml, mais comumente) dependerá de vários fatores, tais como a quantidade do ferro acumulado, a complexão física do paciente, etc.
Estas sangrias terão que continuar até que o nível de acúmulo de ferro no sangue seja considerado seguro (normalmente ferritina=50), o que varia de paciente para paciente.
Após atingir-se o nível normal de ferritina, fazem-se avaliações periódicas (trimestralmente, na maioria dos casos) a fim de se verificar se os valores continuam dentro do padrão esperado, e em caso contrário, fazem-se sangrias esporádicas de manutenção.
Além disso, durante o tratamento, caso hajam danos no fígado, faz-se
biópsias para verificação de presença de células de câncer (uma complicação também possível em pacientes com HH), e também para análise da progressão de fibrose e cirrose. Caso o órgão afetado seja o coração, tem-se que se monitorar periodicamente as funções . Pâncreas e baço, devem ser verificados através de ecografias abdominais.
Caso a complicação presente seja a de dor nas juntas e dificuldade de mobilidade, deve-se ter o acompanhamento de um reumatologista, sendo necessário, em alguns casos, a reposição por juntas artificiais.

                                             
  Sangrias

As sangrias ou flebotomias terapêuticas, apesar do nome, à primeira vista, assustar, nada mais são do que retiradas simples de sangue, tendo pequenos contratempos associados, tais como hematomas locais, vácuo nas veias, etc.
Os hematomas variam de paciente para paciente, e como existem duas possibilidades de retirada de sangue, a por gravidade e a por vácuo, cada paciente se adaptará melhor a uma delas. A retirada por gravidade se faz em vidro esterelizado e a por vácuo, em bolsa plástica (tal como vemos em doações de sangue). Não se pode esquecer que os locais de retirada deste sangue são bancos de sangue, centros hematológicos e hospitais equipados apropriadamente para este procedimento.
Em algumas sangrias podem acontecer vácuos na veia que acabam impedindo a saída do sangue, sendo necessário se interromper a retirada naquela veia e a tentativa em outra.
Sangria em bolsa plástica
Vidro utilizado em sangrias terapêuticas

1